Centrais Sindicais repudiam suspensão do Piso da Enfermagem

Centrais Sindicais repudiam suspensão do Piso da Enfermagem

  • Facebook
  • Twitter

Os trabalhadores e trabalhadoras da Enfermagem, e todos e todas que puderam sentir e provar a importância desses profissionais durante a pandemia e agora nesse período de continuidade dos casos de Covid-19, foram surpreendidos neste domingo (4) pela decisão liminar do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luís Roberto Barroso, que suspendeu a Lei 14.434/2022, que fixou o piso salarial nacional para a categoria.

Atendendo ao pedido da CNSaúde (Confederação Nacional de Saúde, Hospitais e Estabelecimentos de Serviços), a decisão é um grave ataque aos trabalhadores do setor que lutaram por quase 30 anos para a garantia deste direito. 

Para justificar a decisão, o ministro aceitou os argumentos unilaterais da patronal que ameaçou demissão em massa e sobrecarga na rede de atendimento caso o projeto seja mantido. Uma alegação que não encontra amparo nos dados do setor e nas discussões que embasaram a aprovação pelo Congresso Nacional.

Como afirma o Cofen (Conselho Federal de Enfermagem) todos os estudos sobre os impactos orçamentários foram devidamente apresentados e debatidos com todos os entes da União, Estados e Municípios, de maneira plural e transparente junto ao Congresso Nacional, sendo considerado viável a aprovação do Piso Salarial e sua implementação no sistema de saúde público e privado.

Daí que também não se justifica o veto que Bolsonaro fez ao sancionar a lei, negando o reajuste anual do piso.

A Lei 14.434 é uma luta histórica de enfermeiras/os, técnicos/as de enfermagem, auxiliares e parteiras de todo o país, que recebem baixas remunerações e, principalmente, no último período, foi a categoria mais afetada pela pandemia, seja com perda de vidas e adoecimento físico e psicológico.

A garantia de um piso salarial nacional é um direito da categoria. Conclamamos uma ampla mobilização em defesa dos trabalhadores/as da Enfermagem, pela derrubada da liminar do ministro Barroso, para que as entidades públicas e privadas de Saúde cumpram a nova lei nos estados e municípios, e para que o Congresso derrube o veto de Bolsonaro.

 

Central Sindical e Popular CSP-Conlutas
Intersindical Instrumento de Luta e Organização da Classe Trabalhadora
Intersindical Central da Classe Trabalhadora
Pública - Central do Servidor
UGT - União Geral dos Trabalhadores
 

 

Foto de destaque: Rovena Rosa, da Agência Brasil

 

 

Rua Boa Vista, 76 – 11° andar CEP: 01014-000 - Centro - São Paulo/SP
Telefone: (11) 3107-7984 - secretaria@cspconlutas.org.br
© CSP-Conlutas - Todos os direitos Reservados.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Flickr
  • WhatsApp