A tragédia anunciada dos Yanomamis: violência, miséria e calamidade sanitária

A tragédia anunciada dos Yanomamis: violência, miséria e calamidade sanitária

Rosi Pantoja

  • Facebook
  • Twitter

O ouro do Brasil é banhado de sangue indígena!

O que está acontecendo nas Terras Indígenas (TI) Yanomami é grave e cruel. Uma tragédia anunciada, e sempre denunciada pelos movimentos sociais, mas que o governo e autoridades fazem “vistas grossas”. Não se trata somente de um problema sanitário e de desnutrição. O que acontece nas aldeias Yanomami é um etnocídio, orquestrado por um projeto político capitalista e ganancioso de obtenção de lucro a qualquer custo.

A TI Yanomami está localizada em Roraima e no Amazonas é a maior do Brasil, com 9,6 milhões de hectares, onde vivem cerca de 27 mil indígenas. Segundo o Site Observatório da Mineração[1], em 2020, existiam 25 mil garimpos ilegais dentro da área. A situação dos indígenas é grave, e revela a crise sanitária que já levou a morte 570 crianças menores de cinco anos nos últimos quatro anos[2]. Diante da calamidade o Ministério da Saúde decretou estado de emergência na saúde.

Destruição provocado por garimpo na Terra Indígena Yanomami

Foto: Hutukara Associação Yanomami

Infelizmente, esta tragédia se revela com a falta de demarcação das terras indígenas, com o garimpo ilegal e sem fiscalização. Política praticada durante os quatro anos do governo Bolsonaro que desmantelou e sucateou os órgãos regulamentadores, incentivando um discurso de ódio e xenofonia aos indígenas, deixando a mercê toda uma população.

O que se revela de forma drástica e cruel com os Yanomamis é um projeto de genocídio, que ocorre há  mais de 500 anos no Brasil, afetando diversas terras indígenas com a invasão de garimpeiros, madeireiros, latifundiários e grandes empresários. A violência e o etnocídio histórico nas terras indígenas têm muitas facetas, desde assassinato em massas por envenenamento, assassinato das lideranças, invasão de terras, garimpagem com mercúrio contaminando a d’água consumida pela população, e vai até o extermínio de crianças pra impedir a reprodução e manutenção nos territórios.

A responsabilização de Bolsonaro pelos crimes ambientais e de genocídio é o mínimo que deveria acontecer. Porém, este é um dos vários casos graves que tem ocorrido nas terras indígenas no Brasil a fora, sem falar dos territórios ainda não demarcados. O atual presidente, Lula, esteve visitando as aldeias Yanomamis e declarou que as condições são desumanas, enumerando medidas de tratamento hospitalar. Ações importantes, mas que não serão suficientes para eliminar os problemas que os indígenas têm vivenciado.

Segundo o Cimi (Conselho Indigenista Missionário), 54,28% de terras indígenas ainda não foram identificadas ou não foi tomada nenhuma providência para demarcar. Entre os presidentes que demarcaram terras indígenas Temer e Bolsonaro foram os governos sem nenhum território demarcado. Mas não foi na gestão do PT que mais se demarcou terras indígenas, pelo contrário nos 13 anos de gestão anterior do governo petista se demarcou menos que nos 8 anos de governo anterior. Isto porque houve uma redução na política de demarcação durante os governos para atender os interesses dos empresários. Portanto, é urgente e necessário cuidar dos doentes, com todo empenho e recurso necessários. No entanto, para impedir novas tragédias é preciso que ocorram as demarcações de todos os territórios indígenas, acabe com a mineração nos territórios indígenas, que haja multa com confisco dos bens dos criminosos, reestruture os órgãos fiscalizadores e de atendimento aos indígenas.

Homologações de terras indígenas por presidente da República [1]

José Sarney (1985 a 1990) – 67

Fernando Collor (1991 a 1992) – 121

Itamar Franco (1992 a 1994) – 18

Fernando Henrique Cardoso (1995 a 2002) – 145

Luiz Inácio Lula da Silva (2003 a 2010) – 79

Dilma Rousseff (2011 a 2016) – 21

Michel Temer (2016 a 2018) – zero

Jair Bolsonaro (desde 2019) – zero

 

[1] https://observatoriodamineracao.com.br/maior-terra-indigena-do-brasil-ti-yanomami-sofre-com-25-mil-garimpeiros-ilegais-alta

-do-ouro-preocupa-liderancas-que-tentam-evitar-disseminacao-da-covid-19/

[2] https://www.dw.com/pt-br/garimpo-e-ina%C3%A7%C3%A3o-do-governo-levaram-yanomami-%C3%A0-trag%C3%A9dia/a-64482594

Rua Boa Vista, 76 – 11° andar CEP: 01014-000 - Centro - São Paulo/SP
Telefone: (11) 3107-7984 - secretaria@cspconlutas.org.br
© CSP-Conlutas - Todos os direitos Reservados.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Flickr
  • WhatsApp