Ataque israelense a Gaza mata ao menos dez pessoas

Ataque israelense a Gaza mata ao menos dez pessoas

  • Facebook
  • Twitter

Ainda com as feridas recentes dos ataques de pouco mais de um ano, quando Israel bombardeou Gaza em maio de 2021, deixando dezenas de mortos, feridos e escombros em toda a região, nesta sexta-feira (8) homens, mulheres, idosos e crianças foram surpreendidos novamente com mais uma ofensiva militar israelense, nesta região que pode ser considerada a maior prisão a céu aberto do mundo.

Um bombardeio, como divulgado com imagens pelos meios de comunicação das Forças de Ocupação Israelense, atingiu um prédio residencial na região central de Gaza, assim como em Khan Younis, Rafah e no bairro al-Shuja'iya.

O ataque israelense matou ao menos 10 pessoas, dentre elas, uma criança de apenas 5 anos. Esta criança, a menina Alaa Qaddoum, foi morta em um ataque de mísseis junto com seu pai, a caminho do mercado.

A mãe da Alaa, Rasha, conforme relatado pelo canal de notícias Al Jazeera, ficou em estado de choque. Perdeu filha e marido de um momento para o outro e tem mais outros três filhos aterrorizados pelos ataques.

Segundo testemunhas, havia crianças próximas ao prédio atingido na região central. Elas estavam brincando e foram supreendidas com o bombardeio.

O exército israelense diz que o alvo era o comandante do grupo da Jihad Islâmica, Taysir al-Jabari, também morto nesta operação.

Ao menos 55 pessoas ficaram feridas.

Violações constantes

A ofensiva militar desta sexta, intitulada como Operação Dawn, é mais uma das que ocorrem mirando as eleições do estado israelense. É assim que tem acontecido desde 2008. Entre 2019 e 2021, houve 4 eleições israelenses, com importante dificuldade de se estabelecer um governo majoritário. A solução para esta crise política foi o último ataque devastador de 15 dias contra a população cercada de Gaza, que terminou em 21 de maio e deu origem a um novo governo em 2 de junho.

O palestino Majed Abusalama, ativista que hoje vive na Alemanha, ressaltou essa particularidade do governo israelense em suas redes sociais: "Como vencer as eleições do Apartheid israelense? Bombardeie Gaza, depois se faça de vítima para o mundo e serão os melhores políticos para seus colonos e assim seguirão sustentando o assentamento maior - Israel".

Mais de 2 milhões de palestinos vivem presos em Gaza, quase um milhão de crianças em uma faixa estreita e de alta densidade demográfica. 

A Rede Samidoun de Solidariedade aos Presos Políticos Palestinos denunciou que "a ocupação israelense está chamando esta agressão de 'ataque ao Movimento Jihad Islâmico Palestino', mas que em realidade é um ataque a todo o povo palestino - em Gaza, em toda a Palestina ocupada, desde o rio até o mar - e sua resistência nas variadas formas".

O povo palestino que vive sob o cerco de Gaza é composto de mais de 70% de refugiados, aos quais é negado há 75 anos o direito de retorno às suas terras de origem.

A CSP-Conlutas repudia este novo ataque israelense contra o povo palestino e expressa solidariedade e apoio pela liberdade, do rio ao mar, da Palestina ocupada.

 

Rua Boa Vista, 76 – 11° andar CEP: 01014-000 - Centro - São Paulo/SP
Telefone: (11) 3107-7984 - secretaria@cspconlutas.org.br
© CSP-Conlutas - Todos os direitos Reservados.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Flickr
  • WhatsApp