RCN de 20 a 22/5/2022: Solidariedade à resistência ucraniana!

  • Facebook
  • Twitter

Fora as tropas russas da Ucrânia! Fim da OTAN e da CSTO! Por uma Ucrânia livre e soberana para a classe trabalhadora!

Desde o dia 24 de fevereiro a Rússia vem atacando militarmente a Ucrânia, com milhares de mortos e feridos. O governo ditatorial de Vladimir Putin vem utilizando métodos de extrema crueldade, atacando e destruindo cidades, incluindo hospitais e maternidades, implementando limpeza étnica nas áreas ocupadas com o objetivo de controlar a região leste e sul do país, atacando instalações militares e civis para poder avançar sobre o conjunto do país. As cenas do genocídio na cidade de Bucha e as mais de 300 denúncias nas regiões de Kiev, Chernihiv, Kharkiv, Mariupol e Sumy são expressões da política genocida de Putin, deixando um rastro de execuções, saques e estupros nas regiões ocupadas

Apesar da imensa superioridade militar russa, o invasor enfrenta, por parte do povo ucraniano, uma resistência maior do que a prevista, muitas vezes de caráter heróico. Cenas de civis se armando, se unindo a forças militares de defesa territorial, população fabricando molotovs a fim de se protegerem dos tanques russos e manifestações de ruas como vimos nas cidades de Kiev e Kherson se espalham pelas redes e provocam comoção social.

Na contramão da resistência contra a invasão russa, o governo Zelenski aprovou uma reforma trabalhista flexibilizando direitos da classe trabalhadora. Além disso, o governo se omite no combate ao desabastecimento e à alta de preços de produtos básicos e aluguéis de imoveis.

Também é fundamental denunciar o papel da OTAN e do imperialismo. Hoje o imperialismo alemão é o principal financiador do esforço de guerra russo através da importação de gás e petróleo daquele país. Por outro lado, os países que integram a OTAN se recusam a prover armamento pesado para a resistência ucraniana. Além disso, nada foi feito para expropriar os bens da oligarquia russa no exterior e voltá-los à reconstrução da Ucrânia. Também nenhum passo foi tomado para cancelar a dívida externa ucraniana. Mais que nunca é necessário lutar pelo desmantelamento da OTAN e da CSTO, alianças militares usadas para dominar os povos oprimidos, bem como pela desmobilização de todo o arsenal nuclear da Otan e da Rússia.

No Brasil, enquanto Bolsonaro segue com suas relações com o governo de direita de Putin, Lula tem dado declarações que isentam Putin da sua responsabilidade central na invasão a Ucrânia. Essas declarações só ajudam o governo da Rússia em seguir sua política genocida contra a população ucraniana.

 Nesse processo, a CSP-Conlutas tem lado: somos contra a invasão de Putin e apoiamos a resistência dos trabalhadores e do povo ucraniano contra a invasão e estamos pela derrota das tropas russas nessa guerra, sem que isso represente nenhum apoio nem confiança política no governo de Zelenski ou na burguesia ucraniana.

A CSP-Conlutas integrou o comboio de Ajuda Operária à Ucrânia, construído pela Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas, uma atividade histórica para o movimento operário internacional, que fortalece o perfil internacionalista da nossa central e que não deixa dúvida que estamos ao lado da resistência. O comboio contou com o apoio logístico da organização ucraniana Sotsyalny Rukh e entregou mais de 800 kg em mantimentos e materiais ao sindicato dos mineiros-metalúrgicos da cidade de Kryvyi Rih. Esse sindicato representa os trabalhadores da maior mineradora de ferro da Ucrânia cujos filiados se juntaram às "Forças de Defesa Territorial”. A delegação internacional da CSP-Conlutas também entrou em contato com sindicalistas ferroviários, construção civil, professores e estudantes.

A Coordenação Nacional da CSP-Conlutas resolve:

- A CSP-Conlutas e suas organizações afiliadas seguirão fortalecendo a campanha internacional em apoio à luta do povo ucraniano com as consignas: Fora as tropas russas da Ucrânia! Fim da OTAN e da CSTO! Por uma Ucrânia livre e soberana para a classe trabalhadora!

- Solidariedade internacional ao sindicalismo independente e combativo da Ucrânia que faz parte da resistência com armas na mão contra os russos;

- A resistência ucraniana neste momento necessita da solidariedade ativa e isso se traduz no envio de recursos para sustentar materialmente os trabalhadores que estão nas fileiras da resistência ucraniana contra os ocupantes russos. Por isso, a CSP-Conlutas conclama as entidades e trabalhadores de base representados pela central a se engajarem em uma campanha nacional de arrecadação financeira para o “Fundo de Ajuda Operária à Ucrânia” via PIX da CSP-Conlutas - financeiro@cspconlutas.org.br ou via crowdfunding (vaquinha virtual) - https://abacashi.com/p/ajudaucrania 

- Impulsionar atividades como palestras e reuniões nos locais de trabalho, estudo e moradia, e intervir em assembleias para divulgar essa campanha e “passar sacolinha” para coletar ajuda financeira à resistência;

- Solidariedade internacional às mobilizações anti-guerra na Rússia e Belarus. Todo apoio às ações operárias de boicote ao governo e forças armadas russas e bielorussas;

- Exigimos a liberdade imediata dos presos políticos nestes países;

- Pelo cancelamento da dívida externa ucraniana e pela expropriação dos bens da oligarquia ucraniana e seu direcionamento para a reconstrução da Ucrânia;

- Exigimos que o governo brasileiro rompa as relações diplomáticas com os governos da Rússia e Belarus.

Rua Boa Vista, 76 – 11° andar CEP: 01014-000 - Centro - São Paulo/SP
Telefone: (11) 3107-7984 - secretaria@cspconlutas.org.br
© CSP-Conlutas - Todos os direitos Reservados.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Flickr
  • WhatsApp