Assembleia dos rodoviários de Macapá (AP) suspende greve após regularização dos salários

Assembleia dos rodoviários de Macapá (AP) suspende greve após regularização dos salários

  • Facebook
  • Twitter

 

No final da tarde de quarta-feira (22), motoristas e cobradores de ônibus da Capital Morena e Amazontur, de Macapá (AP), em greve desde a última quarta-feira (15), decidiram suspender o movimento após o oitavo dia de paralisação.

Com os pagamentos já regularizados, a categoria propôs que o pagamento dos salários fosse feito até o quinto dia útil do mês, o da cesta básica em até oito dias e a entrega das atrasadas, estabilidade no emprego por um ano e o abono das faltas.

A empresa se comprometeu com a maioria das reivindicações, entre elas não retaliar os grevistas, mas vai descontar os dias.

“Não foi uma luta fácil, mas os trabalhadores demonstraram uma grande disposição de defender seus direitos. A empresa não pagava nem sequer os salários em dia, agora vão ter de nos respeitar”, disse Sincottrap (Sindicato dos Condutores de Veículos e Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários do estado do Amapá), Cristiano de Souza, cobrador da Capital Morena.

Durante a paralisação, ex-vice-presidente do sindicato dos trabalhadores, Max Deles, chegou a receber ameaça de morte em telefonema anônimo que afirmava que era hora de parar com a greve, pois os salários estavam sendo pagos. Típica atitude patronal.

A população, apesar de ser prejudicada com a paralisação, apoiou a greve da categoria. “Nós recebíamos apoio da população; as pessoas também passam por dificuldades e entendiam o que estávamos passando. Foi muito bonito isso”, comentou emocionado Cristiano.

A categoria recebeu o apoio das diversas entidades sindicais local, inclusive o apoio financeiro que permitiu garantir o movimento com carro de som, alimentação dos grevistas e outros gastos.   

A greve teve início por reivindicações básicas: o pagamento dos salários, constantemente atrasados; o recolhimento do FGTS, que não tem sido feito pelas empresas, assim como o recolhimento do INSS, e o cumprimento do acordo coletivo.

Indignados com a situação, 70% dos trabalhadores paralisaram as atividades, deixando apenas 30% em funcionamento.

A campanha financeira para arcar com os custos da greve continua. A CSP-Conlutas está participando dessa luta e chama suas entidades a colaborarem.

Banco Caixa Econômica Federal

 Agência: 0658

 Conta: 889450393-1

 Operação: 1288

 Cristiano Augusto Teixeira de Souza

 PIX chave celular: 96991202516

Rua Boa Vista, 76 – 11° andar CEP: 01014-000 - Centro - São Paulo/SP
Telefone: (11) 3107-7984 - secretaria@cspconlutas.org.br
© CSP-Conlutas - Todos os direitos Reservados.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Flickr
  • WhatsApp