banner topo banner topo
Dia 8, MML realiza protestos para denunciar violência machista

Dia 8, MML realiza protestos para denunciar violência machista

  • Facebook
  • Twitter

O Movimento Mulheres em Luta (MML) realiza nessa segunda-feira (8) um dia de mobilização em protesto contra a violência às mulheres que, no último período, vem sendo destaque na mídia com casos estarrecedores.

Em várias cidades acontecem ao longo do dia ações como a colocação de faixas em locais de grande circulação de pessoas, panfletagens e ações nas redes sociais de forma coordenada, com um tuitaço às 20 horas, com a hastag #machismoecapitalismomatam. Há atividades já organizadas em cidades como São Paulo, Manaus, Juiz de Fora, Salvador, Recife, Alagoas, Natal, São Luís, Campo Grande, Teresina, João Pessoa, Goiânia, Curitiba, Porto Alegre e no Distrito Federal.

Em São Paulo (SP) serão colocadas faixas a partir das 5h30 da manhã, no Viaduto Azevedo, na Radial Leste, próximo ao Sindicato dos Metroviários, e no centro, no Viaduto Condessa de São Joaquim, na Avenida 23 de Maio.

Com a extensão de 6 metros, a faixa vai trazer a inscrição “O machismo e o capitalismo estão nos matando. Basta de violência contra as mulheres”.

Segundo o MML, as mulheres e homens da classe trabalhadores precisam “reagir” diante dos inúmeros casos divulgados na mídia, de diferentes tipos de violência contra as mulheres.

“São ações do Estado, a partir da política do governo Bolsonaro, como a cartilha do Ministério da Saúde que nega o direito ao aborto legal; ou a ação do Judiciário como a coação feita à menina de 11 anos de Santa Catarina que foi pressionada a “aguentar mais um pouquinho” e impedida de fazer o aborto legal; ou ações como do PM que deu um tapa na empregada doméstica por ela ter chegado atrasada; além dos diversos casos bárbaros de feminicídios”, exemplifica Marcela Azevedo, do MML.

“Assistimos uma barbárie cada vez maior porque a violência machista está relacionada com o agravamento da crise capitalista. Afinal, é sobre os setores oprimidos, mulheres, negros e LGBTI+, que o capitalismo aumenta a exploração para garantir seus lucros. Por isso, defendemos que precisamos combater o machismo e este sistema que o reproduz”, afirma Marcela.

 

 

Confira abaixo a relação dos atos confirmados e horários:

PI: 8h30 - Praça Rio Branco, Teresina

BA: 09h00 - Praça do Campo Grande

CE: 09h00 - Praça da Bandeira 

SP: 10h00 - Santos, Praça dos Andradas

MS: 10h00 - Câmara Municipal de Campo Grande

PB: 14h00 - Lyceu Paraibano

RN: 14:30 - Midway

DF: 15h00 - Congresso Nacional

AM: 15h00 - Praça da Saudade 

PE: 15h00 - Rua da Aurora

MA: 16h00 - Praça Deodoro

RJ: 16h - Candelária

SP: 17h00 - MASP

SP: 17h00 - Ribeirão Preto, Esplanada do Trato Pedro II

GO: 17h00 - Praça Universitária 

MG: 17h00 - Praça Afonso Arinos

PR: 18h30 - Curitiba, Praça Santos Andrade


 

 

Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Rua Boa Vista, 76 – 11° andar CEP: 01014-000 - Centro - São Paulo/SP
Telefone: (11) 3107-7984 - secretaria@cspconlutas.org.br
© CSP-Conlutas - Todos os direitos Reservados.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Flickr
  • WhatsApp