RCN de 5 a 6/3/2021: Moção sobre a greve na fábrica Florenzi, em El Salvador

  • Facebook
  • Twitter

Em julho de 2020, 196 mulheres e 14 homens, operários da fábrica Florenzi, em El Salvador, foram demitidos, sem que fossem pagos seus salários nem direitos trabalhistas. Os donos fecharam a fábrica e pretendiam vender os equipamentos e deixar as trabalhadoras e trabalhadores sem nada. Por isto, elas se organizaram e ocuparam a fábrica, e lá permanecem lutando há 6 meses.

 

O fechamento da Industrias Florenzi S.A de C.V, no município de Soyapango, departamento de San Salvador, em El Salvador, foi ilegal desde o início. Não foram pagas as indenizações aos trabalhadores, e os salários e direitos trabalhistas já não vinham sendo pagos. Foi uma demissão em massa, cruel e violenta, colocando centenas de famílias na pobreza, com a alegação da pandemia, que justificou o fechamento da empresa desde 19 de março de 2020. Desde então, os patrões simplesmente pararam de pagar os salários e as contribuições legais obrigatórias (previdência social e recolhimentos trabalhistas)!

 

Muitos operários e operárias já sofriam de doenças crônicas que precisam de tratamento médico, e o Instituto Salvadorenho de Previdência Social deixou de atendê-los. Alguns trabalhadores também estavam prestes a cumprir o tempo para poderem se aposentar (55 anos para mulheres e 60 para homens), mas isso não será mais possível em razão da perda do emprego, além de que o patrão reteve ilegalmente os pagamentos da previdência desde alguns meses antes.

 

Sem alternativas, após serem comunicadas do fechamento da empresa e das demissões de todos em 1º de julho de 2020, as 196 mulheres e 14 homens que trabalhavam para a fábrica decidiram ocupar a fábrica, o que fizeram desde 8 de julho. Há 6 meses, eles protegem as máquinas e demais bens, evitando assim que o empregador deixe o imóvel vazio, sem qualquer garantia de pagamento às dezenas de trabalhadores que estão sem receber nada em todo este período. Há quase 2 meses, a luta foi radicalizada e parte dos companheiros iniciaram uma greve de fome, que coloca suas vidas em risco, como ação extrema em busca de justiça.

 

Nos somamos à luta destas mulheres e homens que não têm mais nada a perder. Exigimos:

 

1- O pagamento de indenizações de 100% sobre os salários não pagos, horas-extras, férias, 13º, gratificações e outros direitos devidos pela Industrias Florenzi.

2- Que o patrão, Sergio Pineda, seja processado e condenado por violação de direitos trabalhistas e retenção de impostos.

3- Que os juízes do trabalho que analisam o caso agilizem o processo judicial, concedam as medidas cautelares ou apreensão preventiva dos bens para pagar os despedidos.

4- Que acabem as intimidações e perseguições por parte da Polícia Nacional Civil e que se limite a dar segurança aos manifestantes, e não amedrontar ou perseguir quem está na fábrica.

5- Que o ministro Rolando Castro seja destituído do cargo de Ministro do Trabalho por não atuar de acordo com a lei, agindo de forma preconceituosa junto aos patrões, prejudicando a classe trabalhadora.

6- Que o Estado salvadorenho seja apontado como violador dos direitos humanos por ter abandonado 210 pessoas (em sua maioria mulheres) que tinham direito ao trabalho, saúde, moradia, seguridade social, uma vida livre de violência contra a mulher, alimentação, liberdade sindical, proteção da família e uma vida digna.

 

Rua Boa Vista, 76 – 11° andar CEP: 01014-000 - Centro - São Paulo/SP
Telefone: (11) 3107-7984 - secretaria@cspconlutas.org.br
© CSP-Conlutas - Todos os direitos Reservados.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Flickr
  • WhatsApp