Satélites mostram que massacre em Bucha foi conduzido por russos

Satélites mostram que massacre em Bucha foi conduzido por russos

  • Facebook
  • Twitter

Por: Sâmia Teixeira

Imagens chocantes de corpos espalhados pelas ruas da cidade de Bucha, ao norte de Kiev, foram destaque nos noticiários do mundo todo, provocando indignação e abertura de investigação de crimes de guerra cometidos pela Rússia.

As cenas de barbárie foram divulgadas após a retomada da região pelas forças ucranianas e a presença da imprensa no local.

Moradores que se voluntariaram para recolher corpos afirmaram à equipe de jornalismo da CNN que não são centenas, mas milhares de mortos espalhados pela cidade, nos porões e quintais das casas de civis e em uma grande vala comum (estima-se que tenha 13 metros de profundidade) aberta próxima à principal igreja local.

Os corpos em grande parte apresentam marcas de tortura, com mãos e pernas amarradas. Mulheres foram encontradas com sinais de estupro e nem mesmo crianças foram poupadas.

O governo de Vladimir Putin afirmou que as imagens são falsas, mas apesar de Moscou ter negado a matança de civis em Bucha, alegando que o massacre se deu após as tropas terem abandonado a região, imagens de satélites evidenciam que os corpos já estavam nas ruas e nas valas comuns há cerca de três semanas, quando os russos ainda dominavam a área.

O prefeito da cidade, Anatoli Fedoruk, disse que o desafio agora é o de “identificar os corpos daqueles que foram executados com tiros”. Ele relatou que “os ocupantes russos mataram de forma indiscriminada. Muitos dentre as vítimas são idosos”, que provavelmente não conseguiram deixar Bucha — algo em torno de 2,5 mil e 3,5 mil pessoas, segundo dados oficiais do governo local.

Referindo-se ao presidente russo Vladimir Putin e ao Ministro da Defesa Sergei Shoigu, Fedoruk acrescentou: “Temos a impressão de que os invasores russos obtiveram sinal verde de Putin e Shoigu para fazer um safári na Ucrânia, e como eles não conseguiram tomar Kiev, descontaram a frustração em Bucha e nos arredores”.

É possível que, com as evidências de genocídio, a ONU exclua a Rússia do Conselho de Direitos Humanos. Há triste estimativa de que cenas iguais sejam reveladas em muitas outras partes do território, de Kiev a Mariupol e Kherson.

 

Solidariedade de classe

A CSP-Conlutas tem acompanhado a situação de trabalhadores organizados na Ucrânia,  com informes de ativistas e sindicatos locais bem como da Polônia, país vizinho que tem recebido desde o início da guerra refugiados ucranianos e migrantes.

Em uma página dedicada para a cobertura do assunto, reunimos informações e entrevistas em vídeo realizadas com ativistas ucranianos que relatam a resistência contra a invasão russa.

 

Confira [AQUI O SITE ESPECIAL DE APOIO À RESISTÊNCIA OPERÁRIA UCRANIANA].

 

Recursos e envio de comboio internacional

Para além do trabalho de comunicação, a Central propôs apoio concreto com a criação do “Fundo de Solidariedade a Resistência Operária na Ucrânia”, para que seja possível arrecadar recursos a fim de fortalecer a luta classista contra a agressão russa.

Cada entidade e sindicato, a partir de suas experiências na base, podem arrecadar fundos, quais valores sejam, para contribuir na campanha. Apoiamo-nos na experiência da campanha realizada pela Central em janeiro de 2010 quando um forte terremoto devastou o Haiti. Naquele momento inclusive, operários de distintas categorias aprovaram a solidariedade financeira em assembleias com passagem de “sacolinha”.

A arrecadação de fundos é também parte da construção do “Comboio Internacional da Rede Sindical Internacional de Solidariedade e Lutas”, que levará uma delegação internacional com integrantes da CSP-Conlutas e da Rede para a Ucrânia, como forma de apoio concreto à classe operária ucraniana.

A vitória da resistência dos trabalhadores ucranianos demonstra ao conjunto da classe trabalhadora internacional que é possível sim vencer uma potência militar e construir um país soberano e independente da Rússia, da União Europeia e dos EUA, assim como a construção de um projeto de país democrático e socialista!

 

Para depósito da campanha financeira

Central Sindical e Popular Conlutas

CNPJ: 07.887.926/0013-23

BB – Banco do Brasil (001)

Ag. 303-4

c/c 45567-9

 

Pedimos que em seguida, informe sobre o depósito pelo e-mail: assessoria@cspconlutas.org.br

 

 

Rua Boa Vista, 76 – 11° andar CEP: 01014-000 - Centro - São Paulo/SP
Telefone: (11) 3107-7984 - secretaria@cspconlutas.org.br
© CSP-Conlutas - Todos os direitos Reservados.

  • Facebook
  • Twitter
  • Youtube
  • Instagram
  • Flickr
  • WhatsApp