​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​​

Cinco dias de manifestações derrubam o aumento da passagem em Teresina

05/09/2011


As mobilizações continuam, movimento avança pelo passe livre e municipalização do sistema de transporte

 

Há cerca de três meses o Fórum Estadual em defesa do transporte público no Piauí vem travando a luta pelo congelamento do preço da tarifa de ônibus em Teresina e pela realização de auditoria nas planilhas de custo das empresas que operam o sistema.

 

Durante dois meses e meio o processo de mobilizações garantiu o valor da passagem de R$1,90. Mas em 26 de agosto o prefeito Elmano Férrer (PTB), reajustou a tarifa em 10,5%, através de decreto, passando a R$ 2,10.

 

Estudos preliminares feitos pela economista Verônica Paraguassu, assessora do Sindserm (Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina – Piauí), indicam que a planilha é superestimada e não corresponde ao custo de operacionalização do sistema de transporte, tão pouco ao nível sócio econômico de Teresina. Os dados obtidos comprovam que as empresas de transporte coletivo operam com folgadas margens de lucro, algo em torno de R$ 80 milhões ao mês. Outro elemento absurdo é que a planilha atual prevê o pagamento de diretores do SETUT (Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Teresina) um aumento de 85%, cerca de R$ 156.000,00.

 

 

Durante toda a semana passada estudantes, trabalhadores, movimentos do campo e da cidade realizaram uma verdadeira revolução. A cidade ficou parada para dizer não ao aumento. Na quinta-feira, 1° de setembro, após uma reunião de negociação entre membros do Fórum e a prefeitura, que reafirmou a defesa do lucro dos empresários a comissão retirou-se da prefeitura com a seguinte palavra de ordem: “mãos ao alto R$ 2,10 é um assalto” e partiram pelas ruas centrais da cidade. Cerca de 15 mil pessoas gritavam em única voz: “se a passagem não cair, o Elmano vai cai”.

 

Foi o dia mais intenso, com queima de ônibus, e enormes passeatas. Juventude, trabalhadores (as) totalmente indignados deram uma volta na cidade, saíram pela Av. Frei Serafim, importante via de acesso ao centro, atravessaram a ponte, chegaram na principal via da zona leste, pegaram a ponte Isidoro França – (novo cartão postal da cidade), gritando palavras de ordem, recebendo o apoio da população, passando pelo Marquês, chegando ao centro novamente, ocupando o entroncamento das quatro vias de acesso para a zona norte, leste e sul da cidade.

 

No dia seguinte, sexta-feira 2 de setembro, ao meio dia o prefeito recuou, revogou o decreto por 30 dias, prorrogável por mais 30 até o encerramento da auditoria. Durante toda a tarde estudantes estiveram na Praça da Liberdade, comemorando e preparando os próximos passos.

 

 

O Fórum Estadual do Transporte composto por várias entidades sociais, dentre elas: Sindserm, CSP-Conlutas, SINTECT -PI,Anel, Enecos, Barricadas, FAMEPI, CTB, Resistência Camponesa, ADCESPI, Cajuína, APS, PSTU, agora acompanham e fiscalizam a auditoria. Mantendo a mobilização, debatendo sobre gestão pública do transporte coletivo. Lutando pela Companhia Pública Municipal, Passe Livre para estudantes, Instalação de terminais de integração.

 

Nesta segunda 5 de setembro, às 18h, haverá uma reunião do Fórum no SINDSERM. E a grande participação da juventude e trabalhadores (as) no grito dos excluídos no 7 de setembro.

 

Fórum Estadual do Transporte Público – Piauí